HomeGravidezEstudo global revela que mulheres ainda sofrem episiotomia sem consentimento
episiotomia

Estudo global revela que mulheres ainda sofrem episiotomia sem consentimento

Um novo relatório realizado em parceria por pesquisadores de diversos países como Austrália, Suíça, Nigéria e Myanmar, na Ásia, revela que a episiotomia e violência no momento do parto ainda é uma realidade bastante atual em diversas regiões e culturas do mundo todo.

Boa parte das mulheres ainda sofrem traumas e todo tipo de atividades durante o parto sem seu próprio consentimento!

episiotomia

Episiotomia: realidade mundial ainda coloca mulheres em situação de sofrimento

Liderada pela Organização Mundial da Saúde, a pesquisa acompanhou mais de 2 mil mulheres durante o trabalho de parto e entrevistou mais de 2.600 após o parto — todas com idade mínima de 15 anos em doze unidades de saúde (três por país) em Gana, Guiné, Mianmar e Nigéria entre setembro de 2016 e janeiro de 2018. 

O resultado mostrou que mais de um terço (42%) das mulheres foram agredidas, zombadas, tratadas à força ou abusadas durante o parto em centros de saúde. 

Além disso, as gestantes também experimentaram altas taxas de cesarianas (13%) e cortes cirúrgicos (75%) na vagina ou episiotomias, sem o seu consentimento — e muitas vezes sem analgésicos (57%). Em 59% dos casos, os exames vaginais foram realizados sem consentimento. E acredite, algumas mulheres ainda foram detidas posteriormente nos centros de saúde por não poderem pagar a conta.

Ainda segundo o relatório, quanto mais jovens e menor a escolaridade, maior o risco de maus-tratos, que também incluem negligência dos trabalhadores da saúde ou uso da força durante os procedimentos. 

A maioria dos abusos ocorreu nos 15 minutos anteriores e durante o parto. O estudo citou uma pesquisa que constatou que “parteiras e médicos descreveram as mulheres como ‘não cooperantes’ durante esse período e algumas justificaram o uso de abuso físico e verbal como ‘punição’”.

episiotomia

Problema global

As autoridades de saúde dizem que os maus-tratos a mulheres durante o parto parecem ser globais, inclusive nos países desenvolvidos. Mas as práticas raramente são documentadas, já que grande parte das mulheres tem medo de denunciar essas violações. 

Relatórios anteriores documentaram o abuso físico de mulheres na Europa Oriental, particularmente as de descendentes de ciganos, incluindo casos em que ela são separadas à força de seus recém-nascidos por vários dias. 

As práticas abusivas durante os cuidados maternos também foram amplamente divulgadas na América Latina, onde a Venezuela se tornou o primeiro país a legislar contra práticas antiéticas específicas, adotando uma lei para proibir a chamada “violência obstétricaem 2007. 

episiotomia

Quer saber mais sobre gravidez e o mundo das tentantes?

Não perca nossas postagens seguindo todas as redes sociais!

Facebook, Instagram (@blogtestepositivo) e Pinterest.

 

Leia mais:

Qual a diferença entre Baby Blues e depressão pós-parto?

Qual é o papel da doula na vida da gestante?!

Teste de gravidez: qual o momento certo de fazer?!

Compartilhe:
Classifique este artigo

O Teste Positivo é um blog com conteúdo voltado para gestantes e mamães. O blog é uma forma de batermos um papo sobre maternidade, bebês, saúde, bem-estar, decoração, moda e muito mais! Entre em contato com a gente!

redacao@testepositivo.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário