HomeGravidezProblemas na placenta trazem risco para a gravidez
problemas na placenta

Problemas na placenta trazem risco para a gravidez

A placenta é um dos órgãos mais importantes para um desenvolvimento saudável do bebê durante a gravidez. Ela se desenvolve dentro do útero e fornece oxigênio e nutrientes para o feto. A placenta também irá remover os resíduos do sangue e ainda evita que uma série de substâncias prejudiciais ingeridas pela mãe entrem em contato com o bebê. Por isso, problemas na placenta podem colocar em risco a gravidez e a saúde de mãe e filho.

Como saber se estou com problemas na placenta?

Além de cumprir rigorosamente o pré-natal, com consultas e exames, a gestante deve ficar atenta a alguns sintomas que podem indicar problemas na placenta. Consulte seu médico em caso de:

  • Sangramento vaginal;
  • Dor abdominal;
  • Forte dor nas costas;
  • Contrações uterinas;
  • Acidentes e traumas na região do abdômen.

problemas na placenta

Selecionamos 5 sérios problemas na placenta, na gravidez e no pós-parto:

1 – Descolamento de placenta

Quando o órgão se desgruda da parede do útero, falamos que houve um descolamento, um dos problemas na placenta mais comuns. As causas do descolamento de placenta são variadas.

O problema pode acontecer por causa de quedas bruscas durante a gestação, contusões na barriga (causadas por batidas, acidentes de carro, etc), excesso de esforço físico (inclusive na prática de atividade física), estresse, deficiências de coagulação, infecções, idade avançada da mãe, falha em algum procedimento cirúrgico prévio no útero (como uma cesárea anterior), cordão umbilical curto, entre outros.

2 – Insuficiência placentária

Outro problema que traz riscos para a saúde de mãe e bebê é a insuficiência placentária. Ela acontece quando a placenta fornece menos sangue para o bebê, condição normalmente causada por doenças maternas, como hipertensão e diabetes. Também pode ser causada pelo uso de medicamentos, fumo, drogas e estresse.

Quando diagnosticada, a insuficiência placentária exige acompanhamento mais criterioso do obstetra, repouso e dieta específica. Consultas e ultrassons ficam mais frequentes, para acompanhar se o bebê está se desenvolvendo bem.

Entre os maiores riscos da doença é o parto prematuro. Mas o bebê também pode sofrer com baixo peso, falta de oxigênio no parto, hipotermia e hipoglicemia.

problemas na placenta

3 – Placenta prévia

Também conhecida como placenta de inserção baixa, a placenta prévia é uma complicação causada pelo posicionamento do órgão, que se implanta na parte inferior do útero. A posição faz com que a placenta cubra parcial ou totalmente o colo do útero.

Quando acontece no início da gravidez, a placenta prévia não é tratada como um problema pois a posição pode mudar. Conforme a gravidez avança, se a placenta continuar perto do colo do útero, a condição pode causar sangramento e complicações, como parto prematuro. No fim da gestação, o médico pode optar por uma cesariana.

problemas na placenta

4 – Placenta acreta

Também conhecida como acretinismo placentário, a placenta acreta acontece quando há implantação profunda do órgão na parede uterina. É como se a placenta estivesse muito bem “presa” ao útero, podendo causar hemorragia na sua remoção após o parto.

As causas são desconhecidas mas acredita-se que a placenta acreta possa estar ligada à placenta prévia e cesáreas anteriores. É muito difícil diagnosticar o problema ainda na gestação, mas caso o médico desconfie – através de indicações no ultrassom – pode-se indicar uma cesariana, para poupar esforço no útero.

Os principais riscos para gestantes que têm placenta acreta incluem parto prematuro, sangramento no final da gestação, hemorragia no parto, danos ao útero e a necessidade de uma histerectomia (retirada total do útero e seus anexos).

problemas na placenta

5 – Retenção da placenta

Quando o bebê nasce, o parto acaba correto? Não! Falta ainda uma etapa importante do processo, o chamado nascimento da placenta. Normalmente é uma fase fácil e rápida, pois acontece logo após o grande esforço de expulsão do bebê no parto normal. Os médicos também ajudam com administração de ocitocina sintética, que ajuda a expulsar a placenta. Mas há casos em que ocorre a retenção da placenta.

O médico pode observar se há placenta retida caso observe rupturas no órgão ou faltem partes no órgão retirado. Entre os sintomas, pode-se citar:

  • Hemorragia pós-parto;
  • Fluxo vaginal com mau cheiro e abundante;
  • Febre;
  • Cólicas;
  • Produção tardia de leite.

Caso constate a retenção da placenta, a equipe médica administra novos medicamentos para provocar a expulsão ou faz uso de ferramentas cirúrgicas para retirar manualmente. Pode ser necessário a ingestão de antibióticos para controlar qualquer risco de infecção.

Fonte: Ficar Grávida

 

Quer saber mais sobre gravidez e o mundo das tentantes?
Não perca nossas postagens seguindo todas as redes sociais!

FacebookInstagram (@blogtestepositivo) e Pinterest.

 

Leia mais

10 simpatias para saber o sexo do bebê

Chá de bebê revelação: dicas para organizar o seu!

Pré-natal: um guia completo com todos os exames

Compartilhe:
Classifique este artigo

O Teste Positivo é um blog com conteúdo voltado para gestantes e mamães. O blog é uma forma de batermos um papo sobre maternidade, bebês, saúde, bem-estar, decoração, moda e muito mais! Entre em contato com a gente!

redacao@testepositivo.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário